Aceleramos a nova Strada

A nova geração da Strada ganhou visual inspirado na Toro, picape que chegou em 2016

Em fevereiro, na véspera do Carnaval, peguei um voo para Minas Gerais sem dizer para ninguém aonde iria. A missão era secreta no momento: conhecer e dirigir a nova geração da Strada, picape mais vendida do Brasil. Se o coronavírus não tivesse afetado o mundo e colocado o país em quarentena, o lançamento comercial do utilitário da Fiat seria hoje. Nesta data também seriam divulgados os preços da linha 2021, o que só será anunciado agora em um momento mais oportuno.

Antônio Meira Jr., editor de veículos do CORREIO, conheceu a nova Strada em fevereiro

A Fiat ainda não definiu uma nova data para o lançamento pois a produção em Betim, MG, está paralisada e a empresa está se dedicando ao combate da pandemia que assola o planeta. Entre outras ações, criou dois hospitais de campanha (com capacidade total de 300 leitos em MG e em Pernambuco) e está colaborando com a manutenção de respiradores artificiais.

Mas quando a Strada chegar ao mercado ela vai surpreender pelas inovações e, ao mesmo tempo, o consumidor vai se familiarizar facilmente com ela. O principal motivo é o design, inspirado na Toro – modelo lançado em 2016. Além disso, mesmo antes de guiar o veículo os mais atentos irão conferir a suspensão traseira. Vão perceber que o eixo em formato de ômega está lá, assim como as molas parabólicas longitudinais, popularmente conhecidas como feixe de molas. Porém, tudo foi atualizado e os aços são de maior resistência.

A tampa da caçamba ganhou um sistema de mola que deixa a peça 60% mais leve

Ainda na traseira, quem abrir a tampa da caçamba vai notar a leveza da peça. A Fiat introduziu um sistema que alivia 60% do peso, similar ao da Ford Ranger. E com a tampa aberta é possível ver outra novidade: o acesso ao elevador do estepe, que nessa geração é acomodado embaixo da carroceria. Neste momento surge um ponto negativo, o pneu de socorro é de uso temporário na versão Volcano, o que é inapropriado para esse tipo de veículo. Ainda há tempo da empresa repensar essa solução até o lançamento.

O quadro de instrumentos é similar ao utilizado no subcompacto Mobi

Ao entrar na cabine, que poderá ser dupla e com quatro portas (não haverá mais a opção de três), o cliente irá notar que o quadro de instrumentos já é conhecido. É derivado do Mobi. Particularmente, esperávamos que fosse similar ao do Argo, um modelo superior. Fora isso, o espaço interno é maior. A segurança aumentou com a introdução de airbags laterais e os equipamentos foram reposicionados, entre eles, a central multimídia. Completamente renovada, ela terá inclusive a possibilidade de conexão sem fio com smartphones dos sistemas Apple CarPlay e Android Auto. Outra novidade tecnológica são os faróis em Led.

A central multimídia fará conexão sem fio com CarPlay e Android Auto

Experência
A maior expectativa em relação aos motores era encontrar um protótipo equipado com os motores turbo que a Fiat está desenvolvendo. Mas isso ainda não aconteceu. Por enquanto, a versão Volcano da nova Strada será oferecida com o 1.3 litro GSE. É o mesmo propulsor que equipa modelos como Argo e Cronos. 

O motor de quatro cilindros e 16 válvulas entrega 101 cv de potência a 6 mil rpm com gasolina e 109 cv a 6.250 rpm com etanol. O torque máximo, obtido a 3.500 giros, é de 13,7 kgfm com gasolina e 14,2 kgfm com etanol. Por enquanto ele é associado apenas a uma transmissão manual de cinco marchas.

Há cintos de três pontos e encostos de cabeça para todos os ocupantes

A aceleração de 0 a 100 km/h, utilizando etanol, com o motorista e 100 kg de carga, é feita em 11,2 segundos e a velocidade máxima é de 168,4 km/h. Neste caso, a picape estava equipada com pneus de 15 polegadas. Com essa especificação, a picape tem consumo médio urbano de 12,1 km/l com gasolina e 8,4 km/l com etanol. Na estrada passa para 13,3 km/l (G) e 9,4 km/l (E).

Rodamos na pista de testes da Fiat com o veículo vazio, sem nenhum lastro na caçamba. A dirigibilidade melhorou muito. A engenharia trabalhou muito bem na calibragem da suspensão e a introdução da assitência elétrica facilitou os ajustes da direção. As manobras em baixa velocidade ficaram mais confortáveis, em alta, a sensação de firmeza é maior. 

O compartimento de carga da cabine dupla tem capacidade para 844 litros

Essa versão pesa 1.078 kg, tem capacidade para 650 kg e pode rebocar até 400 kg. A caçamba da cabine dupla leva 844 litros.

O conhecido motor 1.8 litro Etorq não será mais oferecido. No entanto o 1.4 litro EVO, que rende até 88 cv, que equipa atualmente a Strada vai estar disponível em algumas versões da nova geração.

Liderança
No mercado desde 1998, a Strada assumiu em 2000 a liderança da categoria de picapes pequenas. No acumulado deste ano, entre janeiro e março, foram emplacadas 15.408 unidades. A principal concorrente é a Volkswagen Saveiro, que teve 9.109 licenciamentos no período. A outra opção no segmento é a Chevrolet Montana, que somou 1.312 emplacamentos no acumulado.

A picape tem 4,48 metros de comprimento, 1,73 m de largura (sem retrovisores), 1,59 m de altura e 2,74 m de distância entre-eixos

Na Bahia, a supremacia da Strada é ainda maior. Foram 709 unidades emplacamentos entre janeiro e março, enquanto a Saveiro teve 227 e a Montana cinco. Além disso, no estado, a picape mais vendida da Fiat é a Toro com 861 unidades. No ranking nacional ela teve 13.370 emplacamentos, ficando atrás da Strada (15.408).

Atualmente, a Strada mais barata custa R$ 54.990, preço da versão Working com cabine simples e motor 1.4. A mais cara é a Adventure equipada com motor 1.8 e cabine dupla: R$ 83.690. A nova geração deverá ser tabelada nesse intervalo de valores, lembrando que a Toro tem preço inicial de R$ 96.990. Além da versão que rodamos, a Volcano, as outras duas versões da linha 2021 são a Endurance e a Freedom.

Por causa do coronavírus, a produção está paralisada e ainda não há data para o lançamento

Entre as rivais, a Saveiro custa entre R$ 54.890, nesse caso com propulsor 1.6 de 8 válvulas, na versão Robust com cabine simples, e R$ 88.690, preço da configuração Cross, com cabine dupla e com o motor 1.6 de 16 válvulas. A Montana é vendida na configuração LS por R$ 57.150 e na Sport por R$ 68.490. A Chevrolet oferece apenas cabine simples e o motor é sempre 1.4 litro.

Mesmo com a ampliação do mercado de utilitários esportivos, o segmento de picapes ocila muito pouco. Em 2015, essa categoria representava 12% das vendas de automóveis e comerciais leves no país, passou para 13,2% em 2016, 13% em 2017, 13,2% em 2018 e 12,9% no ano passado. Esse percentual correspondeu ao emplacamento de 342.804 veículos em 2019, sendo que 76.223 foram da Strada e 65.566 foram da Toro. Ou seja, 141.789 das picapes, mais de 40% das vendas da categoria foram de modelos da Fiat. 

O jornalista viajou a convite da Fiat